sexta-feira, 11 de março de 2011

Paris é uma festa...

Segundo semestre de 2010 e a Gama Assessoria Esportiva que faz minha planilha resolve iniciar um movimento para ver quem desejaria correr a Meia Maratona de Paris, praticamente na hora garanti minha ida e da esposa, minha quinta meia maratona, primeira fora do país, parte do grupo viajou uma semana antes da prova, inclusive fizeram a gentileza de pegar os kits no Parc Floral, no Bois de Vincennes.
Partimos do Brasil às 23 hs de quinta feira e chegamos em Paris na sexta, às 15:30 hs horário local, voo tranquilo, um pouco cansativo, fuso de quatro horas.
Táxi aguardando conforme reserva feita via internet, temperatura no interior do aeroporto já anunciava o que nos esperava na área externa, frio, muito frio, apesar de ser início de março.
Aeroporto Charles de Gaulle (CDG) fica uns 25km do centro da cidade, pegamos um pouco de trânsito, que aliás é bem nervoso, agitado.
Chegamos ao Hotel Ibis Bastille, registro, subida para o apartamento para deixar as malas e dez minutos depois já estávamos na rua, passeando na Praça Bastille.
Fechamos a sexta com um lanche típico da terra: baguete, queijos e vinho.
Final da tarde de sábado, eu e "minha equipe de apoio" procurando o final das filas para comprar ingressos e subir a Torre Eiffel.
Desistimos, as filas não tinham fim, até que vimos uma fila com umas vinte pessoas no máximo, era a fila para acesso ao primeiro piso da torre através de escadas...
Respiramos fundo, pensamos e decidimos: vamos, corredor que é corredor sobe a torre pelas escadas (até o primeiro estágio), são aprox.uns 300 degraus, e "minha equipe de apoio" foi também, é na alegria e na tristeza, a propósito estávamos na cidade não só para a prova, mas também para comemorarmos 32 anos juntos ou estávamos para comemorarmos os 32 anos de casamento e aproveitei para correr ?Que ela não leia estas linhas...rsrsrs
Anota aí meu amigo Namiuti: "...Fominha que é fominha sobe a Torre Eiffel pelas escadas..."
Após este "treino vertical" pegamos um táxi e retornamos ao hotel(recomendo, preço justo, acolhedor, bem localizado sob todos os aspectos), aliás estávamos passeando desde às 08hs da manhã, Paris é uma cidade para se caminhar, cada esquina uma grata surpresa, vale à pena o esforço.
Ao chegar ao hotel por volta das 19 hs fiquei preocupado com outra parte do grupo da Gama que já deveria ter chegado naquela tarde e que acabou entrando no hotel por volta das 22 hs, problemas de conexão em Madrid e outras "zebras", mesmo assim ainda conseguimos jantar juntos, um total de aprox. 15 pessoas.
Prova no domingo era às 10hs, combinamos com o grupo que  sairíamos do hotel para o metrô por volta das 08:15 hs, do hotel até o metrô eram uns 400mts.
Plataforma da Estação Batille e lá fomos nós rumo Château de Vincennes (linha 1), pouco menos de vinte minutos de viagem, trem cheio, 90% de corredores.
Temperatura estava muito baixa, talvez por conta do vento que resolveu aparecer neste domingo de Sol, sensação era de uns dois a quatro graus.
Pegamos os kits gentilmente trazidos pelas "Marias" da GAMA(estavam em outro hotel) que nos aguardavam próximo do local da largada e começamos o ritual de colocação de chip, fixar número na camiseta, etc....
Não deu para aquecer corretamente,faltavam uns 10 min para a largada, isso acabarria acontecendo no primeiro kilômetro, fiz apenas alguns exercícios de alongamento.
Ernest Hemingway disse: "Paris é uma festa", lembrei desta frase quando me posicionei para a largada da prova na Esplanada do Château de Vincennes.
Formigueiro humano, cores e bandeiras de diversos países estampadas nas camisetas dos corredores.
A largada, em frente ao Château de Vincennes, é dividida por nível técnico e definida de acordo com o tempo previsto na inscrição ou, no caso das baias preferenciais.
O locutor oficial da prova falava sem parar, música alta de fundo, fiz a minha prece habitual que antecede as largadas e agradeci à Deus por estar alí com saúde e podendo participar daquela festa, largada foi anunciada, foram pontuais.
Lentamente, passos curtos, parece que o tapete da largada não vai aparecer tão cedo, passagem estreita, olhava em volta e só sorrisos, aquela expressão dos corredores que só quem corre conhece e entende, muita adrenalina no ar,levei uns quinze minutos para passar pelo tapete, disparei o GPS, "vamo que vamo", allez Jorge, allez!!!!!!!!!!!!!!!!!
Primeiros kilômetros são praticamente dentro do bosque, ruas não muito largas, voce tem que correr com muita atenção neste trecho, caso contrário tropeça em outro corredor.Neste início da prova nota-se fugas em massa para detrás das árvores, corredores e corredoras resolvem alí mesmo perante milhares de testemunhas seus problemas de "ordem urinária"...rsrsrs
Desde o início procurei respirar ao máximo pelo nariz, boca ligeiramente entreaberta, a umidade era alta, mas a sensação de conforto é infinitamente maior do que correr no calor.
Pace abaixo dos 7min/km, sem forçar, meta é acabar com tempo abaixo de 2hs e 30min, percebi nestes primeiros kilômetros que corria confortável, desencanei de ficar olhando o Garmin.
Primeiras bandas/fanfarras que apareceram estavam mais para marchas fúnebres do que para músicas de incentivo, valeu apenas pela disposição em enfrentar o frio, as músicas do meu MP4 eram mais contagiantes.
Tapete no km 5, respiração muito tranquila, com aquela sensação de que podia acelerar mais, mas não me empolguei em mudar o ritmo, meta traçada é meta a ser cumprida, mesmo estando tudo ao meu favor.
No km 8 já arregacei as mangas da camisa que usava por baixo da camisa da Gama e também joguei fora o gorro, minha cabeça estava ensopada.
Saindo dos kilômetros iniciais no bosque entramos em ruas com mais movimentos de pedestres que assistiam a prova, pessoas com cartazes e recados para parentes que corriam, crianças fantasiadas.
Na passagem pela Praça da Bastilha foi onde vi o maior número de pessoas assistindo a prova, apesar do Sol o frio ainda incomodava.
Postos de hidratação com muita água(o frio do dia cuidou de manter a temperatura agradável), não em copos, eram garrafas pequenas.
Uma falha perigosa nestes postos:distribuição de pedaços de laranjas (cortam em quatro com casca e tudo) e bananas, vi algumas pessoas escorregando com as cascas que ficavam no chão.
Passagem no km 10 foi com a mesma sensação do km 5, tudo tranquilo, pace sendo mantido, sem diminuir o ritmo e também sem precisar forçar.
No km 15  percebi que meu tempo para esta distância estava já uns 15 min abaixo do que faço normalmente, mais uma vez procurei me concentrar e não me empolgar.
Duas subidas íngremes e longas após o km 16, na primeira subi com ritmo mantido, mas no início da segunda engasguei ao respirar mais fundo, me assustei,  senti dificuldade em respirar por poucos segundos, neste trecho da prova as ruas eram mais largas e as lufadas de vento que vinham eram mais fortes. 
Km 19 em diante administrei, aí sim olhando com mais frequência para o Garmin, controlando a meta estipulada.
Avistei o Château de Vincennes e o pórtico de chegada, continuava dentro da minha meta, meu melhor tempo em meias maratonas: 02:27:49
Meu Garmin deu o mesmo tempo para uma distância de 21.200mts
Passagens:
5km         10km         15km       Finish
00:33:41   01:07:04   01:41:51   02:27:49
Ao passar o pórtico de chegada caminhei com aquela sensação de dever cumprido, enquanto retirava o ship um filme rápido passava pela minha mente, nele as cenas eram estreladas pela minha família, pelos meus amigos, por todos que prezo e considero, para voces a minha eterna gratidão pela força que me deram ao saber que faria esta prova.
 
 

15 comentários:

  1. Beleza de prova e de relato, meu amigo Jorge! Parabéns por ambos. Subo a placa "EU JÁ SABIA", porque você vinha fazendo por merecer esse recorde na meia há tempos. E estou certo de que, mesmo com tranquilidade, passo a passo (ou degrau a degrau, se for uma torre, hehehe...), esse tempo ainda vai baixar bastante.

    Obrigado pela citação e pela oportunidade de ter feito parte do comecinho dessa história. Pelo menos naquele primeiro treino a gente esteve juntos; e em pensamento também na prova, esteja certo disso. Que venham os próximos desafios!

    Grande abraço, bons treinos e ótimo final de semana!

    Fábio

    ResponderExcluir
  2. Valeu, meu amigo, pela força de sempre.
    Sua presença nos longões escoltando este pangaré que vos escreve com certeza ajudou e muito.
    Vamos continuar treinando, e de degrau em degrau chegamos cada vez mais longe.
    Abraço e mais uma vez obrigado pela força.
    Jorge

    ResponderExcluir
  3. Mutio bom Jorge!!! Valeu por compartilhar este relato. Está de parabéns pela meta mais que superada.

    Agora é seguir firme e encarar as novas pegadas.

    Abraço
    Fabio

    ResponderExcluir
  4. Valeu, meu amigo torcedor do "Burro",
    o caminho é esse mesmo: treinar sempre.
    Quem treina mais sofre menos na hora da prova.
    Abraço e obrigado pela visita.
    Jorge

    ResponderExcluir
  5. Xará boa noite, nào sabia que vc tinha blog, já estou lhe seguindo e nada melhor do que unir o útil ao agradável e vc fez o dever de casa bem certinho, parabéns pelos 32 anos de casamento e pela Meia de Paris concluída e abaixo de sua estimativa que vc projetou que Deus te abençoe abundantemente...Gostei do que vc falou corredor que é corredor sobe a torre pelas escadas e como foi 300 degraus com certeza já deve estar preparado para uma corrida que inclusive teve ano passado em SP a corrida em escadas...rsss...
    Valeu meu amigo agora é pensar no próximo desafio...
    Bom final de semana e bons treinos,

    Jorge Cerqueira
    www.jmaratona.com

    ResponderExcluir
  6. Parabéns pelo recorde, Monteiro.
    Muito bom o seu relato, congratulações por este.
    Magnífica prova que você fez, em um cenário certamente deslumbrante.
    Uma vez mais: felicitações por seu feito.
    Ass.: Guilherme.

    ResponderExcluir
  7. Valeu xará e ultramaratonista,
    obrigado por sua visita e pelas palavras.
    Voce é um exemplo para todos nós de disciplina e determinação.
    Muita saúde e bons treinos !!
    Jorge Monteiro

    ResponderExcluir
  8. Obrigado, Maio.
    A prova realmente é magnifíca.
    Sobre a maratona de NY que vc comentou ela foi cogitada pela turma da Gama, quem sabe ?
    Até lá tem um ano pela frente.
    Estou pensando na de B.Ayres em setembro.
    Vamos treinar,mais uma vez obrigado pela força de sempre.
    Jorge Monteiro

    ResponderExcluir
  9. Não conhecia o seu blog ainda...que belo relato, um dia ainda faço uma corrida dessas em Paris!!!
    Parabéns!
    Thiago Melo
    http://corredoraprendiz.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  10. Thiago,
    obrigado pela visita, pelos comentários.
    Vale à pena correr naquela terra.
    Valeu!!
    Jorge Monteiro

    ResponderExcluir
  11. Jorge, parabenizo pela conclusão dessa prova. Deve ser difícil concentrar com o cenário maravilhoso por onde passam. Até qualquer hora. Grande abraço.

    ResponderExcluir
  12. Valeu, Ricardo!!
    Voce tocou num ponto que realmente é complicado: de um lado o visual e do outro a concentração.
    Se bobear a prova vai por água abaixo,sorte é que depois dá para curtir a cidade e apreciar a paisagem.
    Obrigado pela visita, abraço.
    Jorge Monteiro

    ResponderExcluir
  13. Grande Jorge Monteiro, excelente festa do esporte hen... parabéns pela meta cumprida, pelo passeio e pelos 32 km (ops, anos( de casamento rs. Relato bem escrito com dicas embutidas pra quem um dia for né.
    Um abrx.
    Michel

    ResponderExcluir
  14. Valeu,Michel.
    Muito obrigado pela visita e pela mensagem.
    Realmente é uma grande festa, vale à pena.
    Abraço.
    Jorge Monteiro

    ResponderExcluir
  15. Jorge, belo cometário. A prova realmente foi gostosa, e você conseguiu nos detalhes me levar até lá novamente.
    Valeu ter corrido com você, e principalmente ter te conhecido melhor.
    Forte abraço, e até os 10Km da Tribuna em Santos (OK?)

    ResponderExcluir