sexta-feira, 28 de março de 2014

Correndo meia maratona em Jerusalém.


Correr na Terra Santa antes de tudo foi uma prova de logística e paciência, foram quase dez horas de vôo até Roma, mais quatro horas aguardando conexão, mais três horas de vôo até Tel Aviv e depois mais uma hora de carro até Jerusalém, mas valeu e muito, mesmo com o elevado grau de dificuldade das constantes subidas do percurso, calculo em torno de sessenta por cento de aclives, isso mesmo, um sobe e desce constante.
 
Chegamos na quarta(dia 19)por volta das 17 hs local e no mesmo dia fomos buscar o kit da prova, hotel ficava aprox 600 mts da feira de exposições,isso já eram quase 19 hs local, cinco horas de fuso do Brasil,muitas marcas esportivas e poucos preços convidativos, os stands mais visitados eram da Saucony e da New Balance(um dos patrocinadores).
Quinta feira foi dia de passeios, e o que não falta em Jerusalém são locais para visitar,Monte das Oliveiras, Muro das Lamentações, Bairro Judeu, Bairro Cristão, Igreja do Santo Sepulcro, Via Dolorosa, etc...,para completar ainda fomos até a cidade de Belém(pouco mais de 40 min de Jerusalém), muita emoção ao entrar na Igreja da Natividade.No final do dia fomos até a exposição para o jantar de massas(incluso na inscrição), aliás um belo jantar, com muitas opções de massa, sucos, frutas, bolos, ambiente agradabilíssimo, música ao vivo, pena não poder curtir por muito tempo já que a meia maratona largava às 06:45 hs da sexta feira.
 
Praticamente não dormi no vôo(saímos de GRU às 16:30 hs para Roma), quinta foi de passeios o dia inteiro, dormi muito pouco, mas como diz a velha frase “ ...se voce não agüenta porque é que voce veio ?...”
Do hotel até o local da largada foram 20 min caminhando, largada aconteceu às 06:45, pontualmente,maratona largada às 07 hs e 10km largando às 10hs, e acredite se quiser: ao som de “Ylariê”, isso mesmo que voce leu, caro leitor, “Ylariê”, da Xuxa, e como ela faz sucesso naquelas bandas, eram quase cinco mil pessoas repetindo o refrão da música “ ô ô ô ô”.
Pelo site da prova eram pouco mais de cem brasileiros correndo principalmente a maioria na meia maratona.
Temperatura na hora da largada estava próxima dos dez graus, céu azul, e a umidade passando dos oitenta por cento, primeiros kilômetros foram de muita sensação de secura na boca.
Sabia das subidas, mas não detalhadamente em que kilômetros elas estavam, a meta então era correr bem tranqüilo, poupar energias, e concluir a prova sem surpresas,sustos.
Subidas começaram cedo e o sobe e desce da prova foi até o km 19 praticamente.

Vi muita gente que caminhava nas subidas e depois voltava a correr,optei por não caminhar,nos momentos mais duros preferi aquele "trote de pangaré quase sexagenário"...

Ao mesmo tempo que as subidas apareciam, surgiam também os pontos turísticos, detalhes inesquecíveis da cidade que nunca mais esquecerei, isso ajudou e muito a suportar as “pirambeiras”.
Prova com pontos de hidratação suficientes, muita gente ao longo do percurso da prova, principalmente crianças.
Foi minha décima terceira meia maratona, acredito que a mais difícil por conta da altimetria, mas diria que a mais marcante, pelo clima que envolve a prova, pelo privilégio de poder correr naquele local repleto de História.

Fechei a prova com 02:33 minutos, pace de 7:14min/km,exatamente vinte minutos acima do meu melhor tempo em meias maratonas,sem andar em nenhum momento (se andasse também não faria diferença,estou velho demais para estas vaidades,minha preocupação é largar e chegar com saúde),com a certeza que subidas futuras não mais me incomodarão depois do que passei, aprendi muito nesta prova e que venham mais “pirambeiras”, depois desta Niemeyervemnimimqueeutôpreparadim”!!!!!

8 comentários:

  1. Pelo visto "prova maior" foi chegar em jerusalém... rsrsrsrsrs
    Show de bola, simpatizo com sua filosofia de largar e chegar com saúde, estou me doutrinando para esquecer esta coisa de performance e pensar mais em simplesmente correr por saúde...

    Abraços

    Fábio
    www.42afrente@blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Fábio,
    essa logística para chegar lá foi muito cansativa, mas valeu e muito.
    Acredito que a performance seja importante, mas fazer dela o objetivo maior eu nunca concordei.
    Correr é saúde, diversão, na hora que entram cobranças em demasia perde-se o encanto, a graça.
    Obrigado pela visita!
    Abraço, bons treinos e muita saúde para voce!

    ResponderExcluir
  3. Apesar das dificuldades logísticas, pelo jeito foi um belíssimo passeio na Terra Santa. Parabéns por mais uma meia maratona completada e pelo belo relato. Que venham sempre novas largadas e chegadas.

    ResponderExcluir
  4. Valeu à pena, meu amigo, e muito obrigado pela força de sempre!!!
    Abraço e espero reencontrá-lo no próximo domingo (Prova TField)

    ResponderExcluir
  5. Olá Jorge!! Mais uma prova concluída com sucesso!
    Correr em Jerusalém é um privilégio. Gostava de fazer essa prova.
    Jamais imaginava que escolhessem essa música da Xuxa! Eheheheheh

    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  6. Ana,
    realmente foi um privilégio poder estar nesta prova.
    A hora da largada é muito tensa, rápida, sorte que não deu tempo de ouvir muito...rsrsrsrsrsr
    Grande abraço e obrigado pela visita!!

    ResponderExcluir
  7. ...que belo relato , fantástico Jorge !

    e muitos parabéns pela bela prova...
    ...deve ser uma sensação maravilhosa correr por esse local , com tanta historia !

    ""largar e chegar com saúde"", cada vez penso mais nessa fase , tambem estou a chegar lá , eheheh...

    parabens por mais uma Meia Maratona no curriculum e com saúde !


    grande abraço de Portugal
    Artur

    ResponderExcluir
  8. Artur,
    o percurso é um passeio pela História, mesmo com as incontáveis subidas.
    Muito obrigado pelas palavras e pela força de sempre!!!
    Grande abraço.

    ResponderExcluir